Seguidores

24 de jun de 2011



Quantas vezes, nos últimos tempos, lemos, ouvimos e vemos notícias
de que jovens (ou nem tanto) invadem uma escola, uma associação,
ou universidade, matam indiscriminadamente professores e alunos e suicidam-
se em seguida?
Por trás daqueles atos, os jornais nos trazem explicações terríveis:
vítimas de brincadeiras infelizes, sem vez e sem voz, atormentados pelo
bullying no passado, praticam como vingança a extrema violência.
Nos países ditos “civilizados”, a situação é tão grave que se criam
campanhas e mais campanhas (livros, comerciais, jornais, tevê) a fim de
impedir o prosseguimento do bullying, sobretudo nas escolas.
A vítima fica com seqüelas emocionais muitas vezes para sempre
(há notícias de que muitas delas se tornam, elas próprias, os algozes); o
caso é tão grave nas escolas brasileiras que a Secretaria de Educação do
Estado de São Paulo distribuiu, no início deste ano, um manual contra a
prática, chamado de “Fenômeno Bullying: como prevenir a violência nas
escolas e educar para a paz”.
Um comercial digno de lembrança (e com legendas em português),
feito no Canadá (“Palavras que machucam”), pode ser visto em www.
youtube.com/watch?v=sjCUd6QK6tM.
Mas nem sempre são apenas palavras; constrangimentos físicos, violências
múltiplas também se encontram no rol dos desatinos que são praticados
pelas pessoas que, perturbadas emocionalmente, investem contra aqueles
que se apresentam temerosos, mais frágeis, mais fracos ou sem defesa.
Piadas, apelidos, brincadeiras de mau gosto. Cerca de 60% das
crianças e dos adolescentes já foram vítimas dessa atitude infeliz; há
notícias, inclusive, de que professores contribuem para disseminar uma
humilhação sob a forma de apelidos ou gritos de guerra.
No mundo inteiro, há relatos de crianças e adolescentes que, para
se verem livres de tais atos, suicidam-se. Muitos outros, para fugir da situação
incômoda e do medo, drogam-se. Nos tempos de internet, aparece
uma outra modalidade: o cyberbullying.
Algumas vítimas reagem positivamente e conseguem sair do papel
de apenas vítimas. Outras precisam de auxílio terapêutico para o resto de
suas vidas.
É sobre isso que vamos escrever esta semana.
Veja mais alguns vídeos, comerciais e trabalhos sobre bullying no
Youtube. Há uma infinidade de campanhas publicitárias de outros países.

0 comentários:

galinha Pintadinha 2

Meu selo

Meu selo
Nina Ludolf

Quem sou eu

Minha foto
Sou Artesã, apaixonada por EVA, Mãe de duas princesinhas Ana Clara e Yasmin, casada com o melhor marido do mundo, atualmente moro em Taubaté SP, mais sou de Pirassununga, espero postar aki meus trabalhos e dicas e que meus seguidores gostem,.. bjkasss

Visitas

Tecnologia do Blogger.

Pentel

Pentel
Parceria giz pastel

que presentão!!!

que presentão!!!

Sonho realizado

Sonho realizado
minha querida parceria que tanto esperei!!!

Filiperson

Filiperson
Parceria com Papéis especiais

Parceria Feltro

Parceria Feltro
O melhor do Brasil

Parceria de colas

Parceria de colas
Permabond obrigada!!!

Drisol Artesanatos

Drisol Artesanatos
Frisadores moderadores

Vanessa Otto

Vanessa Otto
Parceria em carimbos de olhos

Sinimbu Fitas

Sinimbu Fitas
Qualidade e dedicação

Parceria brilhante

Parceria brilhante

Apoiamos

Apoiamos

blog da madrinha

Joelma Couto

Joelma Couto

Mimos em EVA

Mimos em EVA
minha mãezona do EVA

Suzimare

Suzimare
Suziarts

tayartes

tayartes

Artesã

Artesã
Grupo amigas do EVA 2012

Art's Carol

Art's Carol

Palmira

Palmira
MINHA AMIGA QUERIDA

Nina Ludolf

Nina Ludolf
Minha Mascotinha

AMIGAS DO EVA

AMIGAS DO EVA
Meu grupo que amo tanto!!!

Minha Afilhada

Minha Afilhada
Palmira Biscuit

Abelhinhas criativas

Abelhinhas criativas
eu faço parte!!!

Ateliê Nina Ludolf

Ateliê Nina Ludolf
Loja virtual

Minha Loja

Compre

Os melhores!!!

Que Horas?

relojes web gratis

Dom de Deus

Dom de Deus

Dinda do blog

Dinda do blog
DENISE MOTA

agenda dos blogs

Minha afilhada

Minha afilhada
Tayartes

Follow by Email